Como perceber os pontos fortes da minha equipe?

pontos_fortes_da_equipe

A prática da liderança é bastante desafiadora para muitas pessoas que ocupam uma posição de líder nas organizações. É preciso prestar atenção nas demandas e nas necessidades da empresa. É preciso, também, prestar atenção nas demandas e nas necessidades das equipes. Mais do que isso: é preciso desenvolver os integrantes das equipes, para que se tornem mais produtivos.

Já falamos aqui no blog sobre as práticas organizacionais que mais motivam os indivíduos dentro das organizações e, claro, os líderes possuem grande responsabilidade em promover ambientes de reconhecimento, apoiando o crescimento pessoal e profissional de seus colaboradores.

Para ajudar você que é líder ou pretende ser um líder, vamos te apresentar um conhecimento que revolucionou as ciências sociais e do trabalho: a classificação VIA de virtudes e forças pessoais.

Classificação VIA de virtudes e forças pessoais

A classificação VIA (Values in Action) é um inventário de virtudes e forças pessoais, que foi apresentado por Martin Seligman e Christopher Peterson no ano de 2004. Esse inventário, que veio acompanhado por um teste, revolucionou as ciências sociais, pois apresentou uma forma prática de se perceber as forças pessoais (ou forças de caráter em algumas literaturas) dos indivíduos.

Para desenvolver esse inventário, Seligman e Peterson realizaram um estudo, que durou cerca de três anos, em que avaliaram quais eram as virtudes e forças pessoais praticadas em mais de 200 culturas diferentes. Para isso, procuraram as virtudes e forças que coincidiam na Bíblia, no Alcorão, no Bushido (código samurai), nas culturas do Ocidente e do Oriente, nas filosofias de Platão e Aristóteles. Estudaram, também, sobre Buda, Benjamin Franklin,  Santo Agostinho e diversos outros pensadores.

Com esse estudo, foram identificadas 6 virtudes que foram praticadas por todas as culturas ao longo de 3.000 anos de história:

  • Sabedoria e Conhecimento
  • Coragem
  • Humanidade
  • Justiça ou Equidade
  • Temperança
  • Transcendência

Nesse estudo também foram identificadas 24 forças pessoais, que são “os caminhos” para se alcançar as virtudes. Todos os seres humanos possuem as 24 forças pessoais, que estão sujeitas a alterações conforme os indivíduos as “trabalham” dentro de si.

De acordo com o estudo publicado em 2004, alguns dos critérios das forças são:

    • A força é um traço. Pode ser observada em várias situações. Por exemplo, quando você ajuda alguém em uma ocasião, não significa que sua principal força é a bondade. A ideia é ser frequente ou o que você costuma fazer.
    • A força produz gratificação por ela mesma. Geralmente produz boas consequências (entusiasmo, alegria ou realização) e não são feitas por fatores externos (dinheiro ou fama).
    • A força é algo que os pais desejam para os seus filhos. Também poderia ser algo que qualquer religião ou política deseja para os seus fiéis/população.
    • A força não diminui os outros em volta. Ela inspira e motiva os demais a fazerem o mesmo. Todos ganham.
    • Existem modelos positivos das forças. Como a relação Nelson Mandela e liderança, por exemplo. 
    • As forças são valorizadas em quase todas as culturas do mundo.

De que forma essas forças podem te ajudar na liderança?

Como mencionamos anteriormente, todos os seres humanos possuem as 24 forças pessoais. É importante que você, como líder, saiba disso. Partindo dessa premissa, não existe colaborador com mais ou menos força. Existe colaboradores que usam mais uma determinada força do que outra.

O seu diferencial como líder, nesse aspecto, será o de identificar quais são as “forças de assinatura” de cada colaborador seu e ajudá-los a praticar as forças que mais precisam desenvolver para melhor performarem no trabalho.

“As forças de assinatura” são importantíssimas para que os indivíduos possam praticar mais as outras forças. Para se identificar as “forças de assinatura”, Seligman e Peterson desenharam alguns critérios:

    • Senso de autenticidade (“este sou eu”).
    • Sentimento de alegria, animação e até mesmo êxtase quando a força é praticada.
    • Sensação de grande aprendizado ao exercer a força.
    • Sentimento de fortalecimento ao invés de exaustão.
    • Ideia de que é muito necessário ou inevitável usar essa força.

Alguns autores trabalham a idéia de que cada um de nós tem cinco forças de assinatura, enquanto outros dizem termos sete.

O importante é você, como líder, identificar quais são as suas próprias forças, além de inspirar e apoiar os seus liderados a fazerem o mesmo.

Repetindo: Todos os seres humanos possuem as 24 forças.

Para fazer o teste e descobrir as forças que você mais utiliza no seu dia-a-dia, clique aqui.

As forças que aparecerem em primeiro são as que você mais utiliza no momento. As últimas são as que você menos utiliza. 

Geralmente as suas forças de assinatura estão presentes entre as primeiras forças que aparecem no relatório, mas é preciso refletir sobre os critérios apresentados acima.

As forças são os caminhos para as virtudes

Como falamos anteriormente, as forças são os caminhos para de alcançarem as virtudes. Para a Psicologia Positiva, virtudes são características positivas valorizadas em centenas de culturas, expostas por filósofos, pensadores, religiões, etc.

Mas qual força é o caminho para qual virtude?

Abaixo nós apresentaremos as virtudes e as suas respectivas forças.

Virtude: Sabedoria e Conhecimento 

Forças cognitivas que envolvem a aquisição e utilização de conhecimento

Forças de Sabedoria e Conhecimento:

  • Criatividade: pensar em maneiras inovadoras e produtivas de fazer as coisas.
  • Curiosidade: ter interesse por toda experiência em curso
  • Senso Crítico: pensar a respeito das coisas e examiná-las sob todos os ângulos.
  • Amor ao aprendizado: dominar novas habilidades, tópicos e áreas de conhecimento.
  • Perspectiva: ser capaz de oferecer conselho sábio aos outros.

Virtude: Coragem

Forças emocionais que envolvem o exercício da vontade para alcançar metas perante a oposição, externa e interna

Forças de Coragem:

  • Honestidade: falar a verdade e apresentar-se de maneira genuína.
  • Bravura: não recuar perante ameaça, desafio, dificuldade ou dor.
  • Perseverança: terminar o que se começa.
  • Entusiasmo: abordar a vida com animação e energia.

Virtude: Humanidade

Forças interpessoais que envolvam “ajudar e aproximar-se” de outros.

Forças de Humanidade:

  • Bondade: fazer favores e boas ações aos outros.
  • Amor: valorizar relacionamentos próximos com outros.
  • Inteligência social: estar consciente dos motivos e sentimentos próprios e dos outros.

Virtude: Justiça

Forças cívicas que fundamentam a vida comunitária saudável.

Forças de Justiça:

  • Imparcialidade: tratar todas as pessoas da mesma maneira, de acordo com noções de igualdade e justiça.
  • Liderança: organizar atividades em grupo e fazer com que aconteçam.
  • Trabalho em equipe: trabalhar bem como membro de um grupo ou equipe.

Virtude: Temperança

forças que protegem contra os excessos.

Forças de Temperança:

  • Perdão: perdoar aquele que erram.
  • Humildade: Deixar as próprias realizações falarem por si.
  • Prudência: ser cuidadoso com as próprias escolhas; não dizer ou fazer coisas que poderão trazer arrependimento mais tarde.
  • Autocontrole: regular o que se sente e se faz.

Virtude: Transcendência

Forças que estabelecem conexões com o universo maior e fornecem significado.

Forças de Transcendência:

  • Apreciação da beleza e da excelência: notar e apreciar a beleza, a excelência e/ou o desempenho habilidoso em todos os domínios da vida.
  • Gratidão: ser consciente e grato pelas coisas que acontecem.
  • Esperança: esperar o melhor e trabalhar para alcançar o melhor.
  • Humor: gostar de rir e provocar risos; fazer outras pessoas sorrirem.
  • Espiritualidade: ter crenças coerentes acerca de um propósito maior e significado na vida.

Nossa sugestão é que você comece a conhecer as suas próprias forças e, depois, faça o mesmo com as suas equipes.

Identificando as forças de cada um, é possível incentivá-los a utilizá-las mais no cotidiano das organizações, fazendo com que sejam mais felizes no ambiente de trabalho. Dessa forma, produzindo mais e gerando melhores resultados.

Esperamos que esse artigo tenha te ajudado. Conte para nós aqui nos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência de navegação no nosso site.